Discursos

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO MAURO BENEVIDES
NA SESSÃO DE 23 DE MAIO DE 2007

 


SENHOR PRESIDENTE
SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS:


Durante a recente visita do Papa ao Brasil, assinalada por impressões favoráveis e intensas emoções, que ficarão para sempre gravadas na memória do nosso povo, sobretudo entre os milhões de católicos brasileiros, três importantes e respeitados jornais do País – Diário do Nordeste, de Fortaleza, Diário de Pernambuco, do Recife, e Jornal de Brasília – publicaram um estudo sério, abalizado e palpitante sob o título “Bento XVI em defesa do Padre Cícero”.
Por sete dias seguidos, esses três jornais destacaram, em páginas inteiras, diariamente, com farta documentação, a iniciativa, o interesse e as providências do Papa Bento XVI em relação ao processo de reabilitação do “Patriarca do Nordeste” perante a Igreja de Roma, passo indispensável para sua beatificação e posterior canonização, desejo e esperança de milhões de devotos brasileiros, sobretudo nordestinos.
De autoria do jornalista e escritor caririense Jota Alcides, ex-Editor-Chefe do Correio Braziliense e, há sete anos, Diretor-Executivo do semanário Fatorama, o primeiro jornal fast-news do Brasil, editado em Brasília, o estudo, baseado em criteriosa pesquisa e consistente avaliação, evidencía o Padre Cícero como o sacerdote mais perseguido da Igreja Católica no Brasil. Comprova que ele enfrentou injustiça persistente do segundo bispo do Ceará, Dom Joaquim Vieira, que se tornou seu maior adversário. Vale ressaltar que o jornalista, já com dez livros publicados, é o autor de “Padre Cícero – O poder de comunicação” e “Padre Cícero segundo Mestre Athayde”, portanto um atento pesquisador da vida e obra do fundador do Juazeiro.
Conforme relato histórico desse novo estudo de Jota Alcides, foram acusações injuriosas que fizeram o Vaticano aprovar a suspensão de ordens do Padre Cícero, em 1896, por causa do chamado “Milagre do Juazeiro”. Apesar das conclusões de comissão de inquérito, do testemunho de vários padres e do atestado médico de que o fenômeno da transformação da hóstia em sangue, na boca da beata Maria de Araújo, não tinha explicação científica, o Bispo de Fortaleza não aceitou o fato extraordinário, no Juazeiro, como sobrenatural.
Mesmo o Papa Leão XIII tendo reabilitado o Padre Cícero em 1898, a cúpula da Igreja no Ceará manteve o sacerdote suspenso e em sofrimento de grande amargura até sua morte em 1934.
Agora, mais de 100 anos depois, o Papa Bento XVI, em nome da verdade e da justiça, está refazendo essa história. Já tem em suas mãos vasta documentação e, nessa sua visita ao Brasil, recebeu novos documentos em defesa do Padre Cícero. Por isso, os nordestinos estão imensamente confiantes em que Bento XVI realizará os dois maiores sonhos do “Apóstolo do Nordeste”: sua reabilitação sacerdotal e a criação da Arquidiocese do Cariri, com sede no Juazeiro. Padre Cícero pediu a instalação dessa diocese ainda em 1898, ao Papa Leão XIII, mas Bento XV, antecessor em nome do Papa atual, causou-lhe a maior decepção. Padre Cícero morreu frustrado por não ter conseguido concretizar esses seus dois maiores sonhos.
Entretanto, segundo o estudo do jornalista e escritor Jota Alcides, Bento XVI poderá realizá-los. Está em ritmo acelerado o processo de reabilitação do inesquecível líder religioso e social do Juazeiro do Norte. E o Papa poderá também criar a Arquidiocese do Cariri, com sede no Juazeiro, repetindo o que Pio XIII fez com Aparecida do Norte, em São Paulo, por sua condição de Santuário Mariano do Brasil.
Procedimento igual cabe ser adotado pelo Vaticano em relação ao Juazeiro, que é o Santuário do Nordeste, recebendo, atualmente, mais de 2,5 milhões de católicos ao longo de cada ano e já considerado o maior centro de catolicismo popular da América Latina. Justifica-se a iniciativa até pelas necessidades específicas da pastoral da Igreja sob a inspiração do Papa atual. Assim como Aparecida, Juazeiro merece tratamento diferenciado da Igreja de Roma, sediando um Bispado com a dignidade de arcebispado metropolitano. É o que esperam os 300 mil habitantes do Juazeiro, hoje maior cidade do interior do Ceará, e os milhões de nordestinos romeiros que se encontram várias vezes, ao ano, na cidade do Padre Cícero.
Pela importância que o fato representa para a história e a evolução da Igreja Católica no Brasil, pondo fim a uma ruptura silenciosa que se deu há mais de 100 anos, quero, desta tribuna, congratular-me com os jornais Diário do Nordeste, Diário de Pernambuco e Jornal de Brasília. Ao publicarem, em série, o estudo do jornalista e escritor Jota Alcides, dando-lhe amplitude nacional, deram enorme contribuição ao atual processo de revisão da história da Igreja no Brasil. E, sobretudo, prestaram inestimável serviço ao povo do Ceará que tem no Padre Cícero uma das personalidades mais representativas e celebradas em todo o nosso País. Tanto é que ele foi eleito, em campanha popular, “O Cearense do Século XX”. Por isso, requeiro que o estudo “Bento XVI em defesa do Padre Cícero” seja registrado nos Anais desta Casa, como contribuição a que se alcance, em breve, a reabilitação de sua imagem e o reconhecimento da esperada beatificação.
É esse o anseio que domina todos os nordestinos e devotos do Patriarca de Juazeiro.


MAURO BENEVIDES
Deputado Federal

Mauro Benevides © 2011 Todos os direitos reservados